Mercado de carbono (resumo semanal – 17/08/2021)

Mediterrâneo foi considerado uma das regiões mais vulneráveis às Alterações Climáticas no relatório do IPCC da semana passada
A Associação ambientalista ZERO, analisou o relatório do IPCC publicado na semana passada e constatou que o Mediterrâneo “apresenta grandes vulnerabilidades e menores oportunidades para lidar com as alterações climáticas”.
Nesta região, dezenas de milhões de habitantes serão afetados por ondas de calor conjugadas com secas associadas a condições de enorme redução da humidade e à subida do nível do mar (fatores que causam potenciais cheias e galgamentos costeiros). Segundo o relatório, algumas regiões mediterrânicas poderão ver as suas culturas agrícolas cair 64% e a superfície de floresta queimada vai duplicar ou triplicar, em função dos esforços feitos para reduzir as emissões de gases com efeito estufa.
Numa análise feita pela associação ambientalista ZERO, no verão, em Beja, a temperatura irá aumentar 2,2ºC no cenário de aumento da temperatura de 1,5ºC e 5,6ºC no pior cenário apresentado.

De acordo com a Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa (UNECE) os objetivos climáticos não serão atingidos sem a energia nuclear
De acordo com o relatório publicado pela UNECE, esta fonte de energia representa 20% da eletricidade produzida na respetiva região de abrangência (Europa, América do Norte e alguns países asiáticos) e 43% das fontes de energia de baixo carbono.
Para além de realçar o grande contributo desta fonte de energia nos últimos 50 anos, a UNECE sustenta a importância da energia nuclear no relatório “Aquecimento Global 1,5º” do IPCC (2018). Segundo a UNECE, os cenários foram construídos com base num aumento da energia nuclear produzida em 2,5 vezes até 2050. Por outro lado, num cenário mais conservador, no que diz respeito à alteração de hábitos de consumo e viagens, o crescimento da produção de energia nuclear deveria crescer 6 vezes até 2050.
Os riscos apresentados por esta tecnologia não deixaram de ser mencionados por esta organização. Saber mais aqui.

MIBEL bate recordes nos preços de eletricidade em 5 dias consecutivos
Na semana passada, entre domingo e quinta-feira, todos os dias foram batidos recordes nos preços médios de compra de energia para o dia seguinte no MIBEL.
Só na sexta-feira foram travados os sucessivos recordes, com um valor médio contratualizado para sábado de 114,63€ por MWh – valor que, ainda assim, “é o dobro face ao preço de um mês atrás, e 66% acima do preço de há um ano”, segundo o semanário Expresso.
A subida dos preços poderá estar associada a uma conjugação de fatores relacionados com os elevados preços das EUA, a escalada dos preços do gás natural e as quebras na produção de energia eólica.

______________________________________________________________________________________________________

 

Consulte os valores diários aqui.