Mercado de carbono (resumo semanal – 20/04/2020)

“European Alliance for a Green Recovery” lançada na semana passada
Foi lançada no dia 14 de Abril a European Alliance for a Green Recovery, uma carta aberta publicada em vários jornais da UE a propor uma recuperação verde após a crise do coronavírus. A carta defende que  os pacotes de investimento a aplicar no período de recuperação pós-pandemia devem ter como base o Pacto Verde Europeu. A carta aberta foi assinada por vários grupos da sociedade civil, eurodeputados, 37 CEOs de empresas como a EDP,  IKEA, H&M, Unilever, 28 associações empresariais de dez diferentes setores, confederações que representam 90 sindicatos nacionais, federações sindicais a European Trade Union Confederation, 7 organizações não-governamentais e 6 Think Tanks, para além de 11 Governos, incluindo o Português.

A evolução dos diferentes ETSs face à pandemia da Covid-19
À medida que o vírus alastra são sentidos os efeitos nos vários mercados  de carbono por todo o planeta. Na Europa, um leilão no âmbito do CELE e outro britânico não foram realizados devido ao baixo valor das ofertas tendo, contudo, os leilões no âmbito do CELE sido compensados no final no mês.
Ainda na Europa, as autoridades suíças suspenderam o seu mercado interno até pelo menos final de abril podendo as várias entidades, ainda assim, continuar a comprar ou vender licenças no CELE.
Na China, algumas datas chave no âmbito do seu mercado foram alteradas. Pequim, por exemplo, adiou o prazo de cumprimento das obrigações de 2019 para outubro de 2020, e decidiu adiar a introdução de obrigações no setor da aviação.

Áustria livre do carvão
A Áustria é oficialmente um país que não produz energia elétrica a partir do carvão desde dia 17 de Abril. A par com a Bélgica, são já dois os países europeus sem eletricidade produzida a partir desta matéria-prima. Também a França e Suécia planeiam atingir o mesmo objetivo em 2022, a Eslováquia em 2023, Reino Unido em 2024 e Irlanda e Itália em 2025. De notar que em Portugal se prevê o fecho da central do Pego em 2021 e Sines em 2023.

 

 

Consulte os valores diários aqui.