O segundo passo para ajudar a “salvar o planeta” é dado hoje (in Expresso)

“A expectativa é de que “este seja o tratado internacional mais rapidamente assinado e logo no primeiro dia!” — sublinha Pedro Martins Barata, um dos peritos nacionais que participou em mais cimeiras do clima nos últimos 20 anos.

O economista lembra que “a assinatura apenas vincula formalmente os Estados ao princípio genérico de não efetuar atos que atentem contra os objetivos do tratado”. Os EUA assinaram o Protocolo de Quioto em 1992, mas acabaram por não ratificá-lo, tendo este só entrado em vigor sete anos depois, após a ratificação da Rússia.

EUA E CHINA ESTÃO NO BARCO

Porém, este risco não parece estar em cima da mesa em relação ao Acordo de Paris. “A China, os EUA e a União Europeia são os maiores emissores do Planeta e basta estes ratificarem para que o tratado entre em vigor já em 2017 ou 2018, antecipando o horizonte de 2020”, atesta Pedro Martins Barata.”

Leia toda a notícia aqui.

 

Fonte da fotografia: DENIS BALIBOUSE / REUTERS, in Expresso Online