Papa Francisco coloca novamente as alterações climáticas no topo da agenda mundial (Mariana Sardinha)

Depois da primeira encíclica papal totalmente dedicada ao ambiente (“Laudato Si”) divulgada em junho, o Papa Francisco volta a pôr em cima da mesa a questão das alterações climáticas, nesta que é a sua primeira visita aos Estados Unidos.

Proveniente de Cuba, o Papa Francisco aterrou nos EUA e foi recebido na base aérea de Andrews pelo Presidente Obama, tendo seguido para a capital norte americana num Fiat 500 L. Qual a relevância do carro usado pela Papa? Aparentemente nenhuma, mas na verdade esta atitude promete que esta vai ser uma visita especial.

No seu primeiro discurso em solo norte-americano, na Casa Branca, o Papa elogiou o presidente Obama pela sua luta contra as alterações climáticas, reconhecendo, como já o tinha feito em junho aquando do “Laudato Si”, que as alterações climáticas são um problema do presente, e que não pode ser deixado para as futuras gerações.

A importância deste discurso nesta altura do ano é grande, uma vez que na conferência sobre o clima (COP 21) que se irá realizar ainda este ano em Paris (entre 30 de novembro e 11 de dezembro), o mundo espera que os principais líderes cheguem a um novo acordo climático global para o período pós-2020 que procure limitar o aumento da temperatura à superfície do planeta em 2ºC (por falar nisso, já descobriu porque nos chamamos Get2C?), de forma a evitar os efeitos irreversíveis que um aumento excessivo da temperatura poderia ter para os sistemas naturais e para as gerações futuras.

Neste sentido, e na sequência da COP20 ocorrida em Lima no final de 2014, todas as partes foram convidadas a intensificar os seus esforços para desenvolver e comunicar os seus compromissos de ação sobre o clima para o período pós-2020, através da elaboração das suas Intended Nationally Determined Contributions (conhecidos pelo seu acrónimo inglês INDCs), antes da realização da COP21, para que as metas de mitigação apresentadas nestes documentos sirvam de base ao novo acordo global para o período pós-2020 (a título de curiosidade, apenas 44 países, incluindo os EUA, apresentaram as suas INDCs)

Para além deste importante discurso que volta a pôr o tema das alterações climáticas em todos os jornais do mundo, o Papa irá discursar por mais duas vezes: uma no Congresso, esta quinta-feira (às 14:45h portuguesas), a primeira vez que um Papa discursa perante o congresso dos Estados Unidos, e outra na sede das Nações Unidas, onde se espera que aborde mais uma vez a questão das alterações climáticas, e esperamos nós, que evidencie a importância de um consenso dos países na COP 21 para o destino do planeta.

Para quem quiser seguir os passos do Papa nesta visita, recomendamos o seguinte trabalho do blogue norte americano Mashable, que está a fazer a cobertura quase horária desta visita histórica.

 

Mariana Sardinha

Analyst

 

Fonte da fotografia: http://edition.cnn.com/2015/09/22/us/gallery/pope-francis-visits-united-states/index.html