Semana Comentada: Pedro Martins Barata, CEO da Get2C

“A melhor forma de nos adaptarmos às alterações climáticas é evitá-las”

O CEO da empresa de consultadoria Get2C, Pedro Martins Barata, delegado à Cimeira de Lima, Peru, pela União Europeia, considera que a 20ª Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas para as Alterações Climáticas foi útil, já que abriu caminho para um futuro acordo climático na Cimeira de Paris, em 2015, mas chama a atenção para um aspecto negativo que pode condicionar as negociações.

“Existe uma pressão muito forte dos países menos desenvolvidos para terem uma compensação financeira pelos danos que já sofrem e vão sofrer com as alterações climáticas. Embora seja esse um desejo legítimo é muito difícil estabelecer e quantificar uma relação de causalidade entre as emissões históricas dos países desenvolvidos e um particular fenómeno climático em qualquer parte do mundo”, alerta.

Para Pedro Martins Barata toda essa discussão faz com que se perca o foco da questão principal do combate às alterações climáticas: a redução das emissões. “Costumamos dizer que a melhor forma de nos adaptarmos às alterações climáticas é evitá-las. Evitar implica reduzir fortemente as emissões. Neste âmbito há uma proposta interessante, veremos se sobreviverá, que é reduzir a zero as emissões de gases com efeito de estufa em 2050. Parece-me uma meta ambiciosa, possível, provável talvez não tanto, que pode mobilizar as forças daqueles que lutam contra as alterações climáticas”, analisa.

Na Cimeira de Lima foi deliberado que todos os países – desenvolvidos e em vias de desenvolvimento – terão de apresentar, até 31 de Março de 2015, as respectivas metas nacionais de mitigação das alterações climáticas, designadamente metas quantificadas e calendarizadas de redução das emissões de gases com efeito de estufa.

“Ao longo do próximo ano vamos convergir para um elencar de todas estas metas para saber se colectivamente aquilo que cada um de nós está a propor responde ao desafio global de manter a subida da temperatura global do planeta abaixo dos dois graus centígrados, objectivo já assumido pela comunidade internacional”, conclui Pedro Martins Barata.