Mercado de carbono (resumo semanal)

O preço de carbono europeu atingiu o valor mais alto em 11 anos nesta segunda-feira, chegando a estar acima de 29€/t. Os preços de carbono mais que triplicaram desde 2018, principalmente devido a reformas de mercado que se focaram em lidar com o excesso de oferta de licenças. Os investidores acreditam que o preço irá atingir os 30€/t ainda esta semana.

Na segunda-feira passada foram apresentadas na Fundação Calouste Gulbenkian a «Carta de Compromisso para o Financiamento Sustentável em Portugal» e as «Linhas de Orientação para Acelerar o Financiamento Sustentável em Portugal: Financiar uma Prosperidade Sustentável». O evento, integrante do conjunto de eventos do RNC2050, contou com a presença do Ministro do Ambiente e da Transição Energética, entidades do setor da banca e ainda a Get2C. Oito bancos comerciais (Banco BPI, Banco Montepio, Barclays, Caixa Geral de Depósitos, Crédito Agrícola, Millennium bcp, Novo Banco e Santander Totta) e outros organismos (Ministério do Ambiente e da Transição Energética, Ministério das Finanças, Banco de Portugal, Euronext, Associação Portuguesa de Bancos e entre outros) são signatários do documento, que introduz critérios ambientais e de sustentabilidade entre os parâmetros de análise de risco à concessão de crédito.

A companhia Polenergia tinha planeada a construção de uma central de carvão de 1,6 GW no norte da Polónia, o que representaria numa das maiores centrais da europa. Após batalhas judiciais, o Supremo Tribunal Polaco decidiu não permitir esse empreendimento.

A companhia aérea KLM lançou recentemente um vídeo no qual apela às viagens de avião mais responsáveis, ao incentivar soluções alternativas como as viagens de comboio ou o recurso de vídeo chamadas. Por outro lado, a Ryanair contrariou os esforços feitos para desencorajar as viagens de avião na quarta-feira passada, argumentando que a indústria tem feito inúmeros progressos em reduzir a sua pegada carbónica e que “não há vergonha” em viajar de avião.